1620-1789: Do Açúcar à Revolta



Produção: Fanny Glissant, Jean Labib

Edição: Audrey Maurion

Animação: Olivier Patté

Empresa(s) produtora(s): ARTE France, Compagnie des Phares et Balises

Produção Executiva: Nathalie de Mareuil

Século XVII: o Atlântico tornou-se o campo de batalha da guerra açucareira. Franceses, ingleses, holandeses e espanhóis lutavam pelo Caribe para cultivar cana-de-açúcar. Para satisfazer seus sonhos de fortuna, os reinos europeus abriram novas rotas de escravidão entre a África e as ilhas do Novo Mundo. Com a cumplicidade de bancos e seguradoras, eles industrializaram seus métodos e elevaram o número de deportações de negros a níveis sem precedentes. Presos, quase 7 milhões de africanos foram jogados num gigantesco furacão de violência.
Próximas exibições no canal Curta!
22/07/2022 19:00:00 [daqui a 27 dias]
23/07/2022 05:00:00 [daqui a 28 dias]
24/07/2022 07:00:00 [daqui a 29 dias]
25/07/2022 13:00:00 [daqui a 30 dias]
26/07/2022 07:00:00 [daqui a 31 dias]
Envie o seu comentário
Faça login ou se cadastre para comentar a obra.
Carregar mais comentários
Envie o seu comentário
Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Aplicabilidades Pedagógicas



Etapa/Nível de Ensino: Ensino Fundamental - Anos Finais, Ensino Médio

Área de Ensino: Ciências Humanas

Componente Curricular/Disciplina: História, Sociologia


Relatos de Professores



Utilizou este filme em suas aulas?
Relate sua experiência!

Relatos de Professores (0)

Testes de Conhecimentos


Você é Educador?
Crie o primeiro teste de conhecimentos para este filme!
Criar Teste

52 min
2018
França
AL

Séries: Rotas da Escravidão | 4 Episódios de 52 Minutos

Diretor: Daniel CattierFanny GlissantJuan Gélas

Sinopse: Século XVII: o Atlântico tornou-se o campo de batalha da guerra açucareira. Franceses, ingleses, holandeses e espanhóis lutavam pelo Caribe para cultivar cana-de-açúcar. Para satisfazer seus sonhos de fortuna, os reinos europeus abriram novas rotas de escravidão entre a África e as ilhas do Novo Mundo. Com a cumplicidade de bancos e seguradoras, eles industrializaram seus métodos e elevaram o número de deportações de negros a níveis sem precedentes. Presos, quase 7 milhões de africanos foram jogados num gigantesco furacão de violência.

Alugue