Object reference not set to an instance of an object.

Resultados de busca
Estes são os 20 títulos encontrados com Gilberto Gil no elenco.
Para ver resultados por outros critérios, refine sua busca usando a ferramenta à direita:
Elenco (20)
Vídeos que você pode assistir online: trechos de obras ou na íntegra
Trecho disponível
O Povo Brasileiro - Episódio A Matriz Tupi | 1
Sinopse: "Brasil" é palavra que pertence à toponímia utópica dos tempos medievais, designando uma ilha de sonho, terra da felicidade imaginada. O primeiro registro que se conhece do vocábulo está numa carta náutica elaborada em 1325 pelo genovês Angelo Dalorto, ou seja: o nome "Brasil" já comparece em mapas quando ainda faltavam 175 anos para a armada cabralina avistar o Monte Pascoal. Com o tempo, a expressão passou a denominar o território atualmente brasileiro. E os primeiros grupos tribais aqui encontrados, pelos navegadores europeus, foram chamados "brasis". Eram eles, basicamente, grupos do povo tupi, que então dominava quase toda a fachada litorânea dos trópicos brasílicos, estendedo-se aproximadamente do Ceará a São Paulo. O propósito deste primeiro programa da série é apresentar um panorama da formação sociocultural tupinambá-tupiniquim: a organização aldeã, o sistema de crenças, a antropofagia, as práticas agrícolas, as guerras e festas, os conhecimentos astronômicos, a trama do parentesco, a vida amorosa e sexual, em suma, mostrar quem eram aqueles canibais que circulavam, com seus mitos e ritos, plos litorais da Terra Brasílica - e que, através da miscigenação e da didática dos trópicos, constituíram, com os lusitanos, a "protocélula" original de nosso povo: a protocélula luso-tupi.
Trecho disponível
Brasil | 1
Curta-metragem que registra os bastidores da gravação do disco Brasil, de João Gilberto, de 1981, com Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia. Orson Welles, no carnaval do Rio, compõem o quadro visual deste curta.
Trecho disponível
Alô, Alô Terezinha | 1
Entre os anos 50 e 80, Chacrinha foi o apresentador de programas de auditório mais famoso do Brasil. Comandou programas que se tornaram recordistas de audiência. Lançou diversos artistas, além de criar as chacretes.
Trecho disponível
Pierre Fatumbi Verger: O Mensageiro entre dois mundos | 1
Sinopse: Documentário sobre a vida e obra do fotógrafo e etnógrafo francês Pierre Verger. Narrada e apresentada por Gilberto Gil, a produção foi dirigida por Lula Buarque de Hollanda e mostra como, após viajar ao redor do mundo como fotógrafo, Pierre Verger radicou-se em Salvador da Bahia em 1946. Foi onde passou a estudar as relações e as influências culturais mútuas entre Brasil e o Golfo do Benin, na África, debruçando-se nas pesquisas sobre o candomblé.
Trecho disponível
A Sede do Peixe - Milton Nascimento | 1
Sinopse: Em dezembro de 1997, no Rio de Janeiro, o compositor mineiro Milton Nascimento juntou amigos e parceiros de carreira no especial "A Sede do Peixe". Participaram da produção os convidados Caetano Veloso, Alcione, Skank, Nana Caymmi e Gilberto Gil. Dirigida por Lula Buarque de Hollanda e Carolina Jabor, a obra é uma relíquia cultural, retratando momentos inesquecíveis, muitas vezes descontraídos, na carreira de um dos maiores ícones da Música Popular Brasileira.
Trecho disponível
Corações a Mil | 1
Sinopse: Jairo, comunicólogo, tipo intelectual e desligado, e Su, a super-tiete, são a dupla central desta comédia musical. Ele, detentor de um discurso ininteligível, trabalha para importante agência de comunicação social, da qual recebe a difícil missão de descobrir "a fórmula secreta" usada pelo ídolo Gilberto Gil para conquistar as plateias. Ela, apaixonada pelo astro, não perde um único show.
Trecho disponível
Os Doces Bárbaros  | 1
Sinopse: O filme registra a excursão comemorativa dos dez anos de carreira dos cantores baianos Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia e Gal Costa, que formaram o grupo com o nome de Doces Bárbaros, por sugestão de Bethânia.
Trecho disponível
O Povo Brasileiro - Episódio Brasil Sertanejo | 1
Sinopse: Existem pelo menos dois "nordestes". Um é o Nordeste litorâneo, que vai da Bahia ao Maranhão - Nordeste Crioulo. O outro Nordeste, nas palavras de Gilberto Freyre, é o dos "sertões de areia seca rangendo debaixo dos pés", das "paisagens duras doendo nos olhos" das "figuras de homens e de bichos se alongando quase em figuras de El Greco". Não é mais o Nordeste sedentário da monocultura latifundiária, filmagens mas o Nordeste da cultura do couro e do gado. Nordeste das ossadas esbranquiçadas e do azul sem nuvens. Nordeste de Antonio Conselheiro, do Padre Cícero, de Lampião, de Luiz Gonzaga. Nordeste da cultura sertaneja. Mas o Brasil Sertanejo não se circunscreve apenas a esta região. Vai do agreste aos cerrados, passando pelas caatingas. Penetra o Brasil Central, com suas atividades agrícolas e sua tradicional economia pastoril, a mestiçagem se dando basicamente entre brancos e índios, com fraca participação negra. Como bem viu Darcy Ribeiro, aí se conformou "um tipo particular de população com uma subcultura própria, a sertaneja, marcada por sua especialização ao pastoreio, por sua dispersão espacial e por traços característicos identificáveis no modo de vida, na organização da família, na estrutura do poder, na vestimenta típica, nos folguedos estacionais, na dieta, na culinária, na visão de mundo e numa religiosidade propensa ao messianismo".
Trecho disponível
O Povo Brasileiro - Episódio Encontros e Desencontros | 1
Sinopse: Este programa será dedicado ao tema da gestação étnica de um povo novo - o povo brasileiro -, configurando-se num processo de mestiçagem permanente, desde o momento em que o primeiro europeu passou por aqui. De saída, a mistura luso-ameríndia. Os náufragos e degredados gerando filhos mestiços nas redes ou "inis" das cunhãs tupinambás. Nascem assim os mamelucos ou brasilíndios, espraiando-se por todo o litoral brasílico, para militar nas "bandeiras" ou formar núcleos habitacionais na orla marítima do Rio de Janeiro ou do Maranhão. Em seguida, os cruzamentos entre portugueses e negros e entre negros e índios. São os mulatos e cafuzos que vão se multiplicando pelo território conquistado ou em vias de conquista. Tais mestiços já não eram brancos, nem índios, nem negros. "O brasilíndio como o afro-brasileiro existiam numa terra de ninguém, etnicamente falando, e é a partir dessa carência essencial, para livrar-se da ninguendade de não-índios, não-europeus e não-negros, que eles se vêem forçados a criar sua própria identidade étnica: a brasileira", sustenta a tese central de Darcy Ribeiro. Do plano físico ao espiritual, define-se aí de fato, e desde os primeiros tempos coloniais, a personalidade do Brasil como sociedade mestiça e sincrética dos trópicos, distinta das matrizes que lhe deram origem.
Trecho disponível
O Povo Brasileiro - Episódio A Matriz Lusa | 1
Sinopse: Tudo começa quando Portugal decide organizar um programa nacional para explorar as fronteiras do Desconhecido. A figura-chave, aqui, é o Infante D. Henrique. A comunidade cosmopolita reunida em Sagres, sob o comando do Infante, sistematiza os conhecimentos técnicos até então disponíveis e parte para aprimorar a tecnologia náutica existente. Embarcações lusitanas começam então a se lançar a mares inexplorados pelos europeus, numa aventura cujo resultado será não só transformar a imagem do mundo, como fazer emergir a idéia e a realidade da Humanidade. O Brasil surge como um momento dessa Era dos Descobrimentos. Como ponte avançada da cultura neolatina, em sua variante portuguesa, na margem ocidental do Atlântico Sul. De início, a colonização extraestatal assistemática. É o período "caramuru" da história do Brasil: a aldeola mameluca de Santo André, com João Ramalho, ou a aldeia eurotupinambá de Diogo Alvares, na Bahia. Em seguida, o Estado avança: capitanias hereditárias, governo geral. O projeto de transplantação da cultura portuguesa para os trópicos. Novas tecnologias e novas ideologias, trazidas de uma região da Europa que, de uma certa forma, era um protótipo da América: séculos de miscigenação, séculos de convívio com a diferença.